Ômega 3

Assista aos Slides a seguir e saiba o quanto o óleo de semente de linhaça

é benéfico a saúde:  Óleo de Semente de Linhaça

Assista aos vídeos no “youtube” de matérias na TV sobre alguns dos muitos benefícios de se consumir diariamente o ômega 3:

Vídeo 1

Vídeo 2(Jornal Nacional/Rede Globo)

Veja logo abaixo alguns dos muitos benefícios de se consumir

diariamente o Ômega 3. Para quem não consome através da

alimentação a quantidade diária necessária, existe a opção de

consumir o ômega 3 em cápsulas. Consulte um médico ou

profissional habilitado quanto e isso.

______________________________________

Para comprar de qualquer lugar do Brasil, acesse a Loja Virtual

_________________________________________

*Obs.: Maiores informações sobre como adquirir as cápsulas de Ômega 3, com excelente qualidade e ótimo preço, na cidade de São José do Rio Preto-SP, entre em contato pelos fones: (17) 8112-7035 ou (17) 3011-4400  ou ainda pelo e-mail:  jleonelsantana@hotmail.com

________________________________________

Omega 3: medicamento natural para depressão

 Ômega 3 é um remédio natural para a depressão, diz especialista

(12/08/2004 – Programa Globo Repórter, da Rede Globo)

O psiquiatra francês David Servan-Schereiber escreveu um livro que ficou famoso no mundo todo. Ele é um dos maiores defensores dos métodos naturais no tratamento da depressão. Reconhece que, se para algumas pessoas em crise grave, os antidepressivos químicos são indispensáveis, nem sempre são recomendados para todos os casos.

“Acho que foram a descoberta mais importante do século 20 na medicina. Mas o que é insano, desequilibrado, é o número de pessoas tomando esses remédios. Especialmente quando sabemos que há métodos naturais de tratamento que são eficazes, eles podem curar os sintomas”, diz o psiquiatra.

Ele lembra que de 30% a 50% das pessoas que param de tomar remédios antidepressivos têm uma recaída em um ano. Portanto, a cura não é garantida. Em alguns casos, os métodos naturais podem ser aliados poderosos, principalmente quando a causa é a pressão da vida moderna.

“Você não pode evitar o estresse, é parte da vida. O que você pode evitar é a sua reação ao estresse. Você pode aprender como controlar sua fisiologia, por exemplo, com métodos, alguns dos quais bem antigos. Ioga, por exemplo, existe há 5 mil anos. Você controla sua atenção e respira, controla sua fisiologia”, orienta David Servan-Schereiber.

É sabido há muito tempo que existe uma relação entre saúde e os alimentos que ingerimos. Nos últimos anos isso tem sido comprovado cientificamente. Mas, e no caso da depressão? Será que ela é uma doença que pode ser tratada e prevenida com a ajuda de determinados alimentos?

O especialista em nutrição Silvio Laganá não tem dúvidas. Para ele, o Omega 3 – uma gordura encontrada em peixes, nas nozes, no agrião, no espinafre – é um remédio natural para a depressão.

“O espinafre é a maior fonte vegetal do Omega 3 em folhas verdes, junto com o agrião”, revela o nutrólogo.

A ação do Omega 3 nos neurônios, as nossas células nervosas, explica os benefícios.

“O Omega 3 faz com que a membrana celular que reveste os neurônios tenha fluidez, ela não deixa endurecer essa membrana. No caso das gorduras saturadas – as gorduras da carne, do leite e dos queijos –, ela favorece o endurecimento dessa membrana. Não é bom, ela vai dificultar a passagem de informação através do neurotransmissor, que fica bloqueada, e isso pode favorecer a depressão”, explica o especialista.

Alguns peixes estão no alto da lista dos alimentos campeões em Omega 3.

“O melhor é cavala, que tem uma concentração grande de Omega 3. E é um peixe barato também. A sardinha vem em último lugar, mas com preço bastante conveniente. Ela é rica em cálcio, que é um mineral bastante importante para a saúde humana. A anchova também é rica em Omega 3. É um peixe um pouco mais caro, mas com um sabor bastante peculiar, que agrada muitas pessoas”, diz o nutrólogo.

A linhaça, um grão pouco conhecido do brasileiro, é outra fonte importante de Omega 3.

“A linhaça é um dos nutrientes mais antigos conhecidos como benéficos para a saúde humana. Você joga na boca e saliva. Pode tomar um copinho d’água para ajudar a engolir. Duas colheres de sopa de linhaça por dia oferecem uma concentração excelente de Omega 3, que vai ajudar o funcionamento intestinal e favorecer não ter depressão”, afirma o especialista.

Uma cápsula de óleo de linhaça depois das refeições e uma nova dieta alimentar mudaram a vida da professora de matemática Ana Lúcia de Moraes. Dois anos de tratamento e os sintomas de depressão que estavam acabando com ela sumiram.

“Eu era muito agitada, a minha ansiedade estava sempre lá em cima. Então, isso estava me prejudicando até profissionalmente no meu dia-a-dia. Eu resolvi procurar a ajuda de um nutrólogo”, diz a professora.

Na alimentação, entraram o peixe, as saladas, as nozes. Saíram a gordura e os doces. E foi com sacrifício, ela admite, que cortou algo que de gosta muito.

“O chocolate faz bastante falta. Mas eu sou firme, não como mais”, garante Ana Lúcia.

(Informações do Globo Repórter, exibido no dia 12/08/2004, na Rede Globo)

___________________________________________

Nutrientes contra Parkinson e Alzheimer

Preserve seu cérebro com alimentos /Alimente o SEU CÉREBRO!

Invista no ômega-3, presente nos peixes de água fria. Um estudo da Universidade Laval, no Canadá, comprova: esse nutriente reduz os riscos do mal de Parkinson, caracterizado pela morte de neurônios que produzem o neurotransmissor dopamina. O ômega-3 dispara mecanismos antioxidativos que protegem essas células, diz Frederic Calon, um dos autores do trabalho. Já pesquisadores da Universidade da Califórnia observaram que um tipo específico de ômega-3, identificado pela sigla DHA encontrado nas fontes já citadas dessa gordura , previne Alzheimer. O DHA aumenta a fabricação de uma proteína que, em baixos níveis, contribui para a doença, justifica o líder do estudo, Greg Cole.

Fonte: http://saude.abril.com.br/edicoes/0295/nutricao/conteudo_289353.shtml

_________________________________________

Ômega 3 pode ajudar na regeneração de neurônios, aponta pesquisa

Após ingestão de ômega 3, novos neurônios surgiram em ratos.
Cientistas já haviam descoberto que substância previne morte de células.

Pesquisas feitas por médicos brasileiros abrem caminho para a regeneração de neurônios.

A descoberta veio de um laboratório na Universidade Federal de São Paulo. Nos testes, os pesquisadores provocaram crises de epilepsia nos ratos, isso porque já se sabe que crises prolongadas de epilepsia podem causar lesões em neurônios.
Os ratos foram separados em dois grupos. Um deles passou a receber doses diárias de Ômega 3. Foi aí que os cientistas notaram que no cérebro desses ratos que tomaram o suplemento surgiram novos neurônios.

“Podemos dizer que o cérebro é capaz de se regenerar, ou seja, capaz de produzir novas células. Então isso para a gente é bastante interessante”, explica o médico Fúlvio Alexandre Scorza.
No ano passado, os cientistas já haviam descoberto que o Ômega 3 ajudava a prevenir a morte das células cerebrais.
Os médicos tomaram o cuidado de testar nos ratos a mesma quantidade de Ômega 3 recomendada aos humanos: que é a ingestão de peixes três vezes por semana. Os peixes que contêm a maior quantidade de Ômega 3 são o salmão, o atum e a sardinha, de águas frias e profundas.
Desde então, mesmo sem a comprovação em laboratório do efeito em seres humanos, os médicos da Unifesp e da USP de Ribeirão Preto adicionaram o Ômega 3 à dieta de pacientes, crianças com epilepsia.
A assistente social Érica Almeida toma remédio desde os 19 anos, quando descobriu que tinha a doença. Como boa mineira, ela confessa: adora uma carne vermelha, mas agora com a nova descoberta já pensa em mudar de hábito. “Peixinho mesmo só quando vou na praia, mas agora vamos incluir o peixinho no cardápio”, diz Érica.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1394283-5603,00-OMEGA+PODE+AJUDAR+NA+REGENERACAO+DE+NEURONIOS+APONTA+PESQUISA.html

 _____________________________________

Ômega-3 pode reduzir risco de doença no olho, diz estudo

Mas pesquisa não chega a recomendar um aumento de consumo do ácido graxo.

 Comer alimentos ricos em ômega-3, como peixes oleosos, pode ajudar a evitar uma das causas mais comuns de perda de visão, segundo um estudo divulgado na publicação científica Archives of Ophthalmology.

O estudo sugere que o ômega-3 pode reduzir em um terço o risco de desenvolver uma doença conhecida como degeneração macular relacionada à idade (DMRI), na qual ocorre um crescimento anormal dos vasos sanguíneos sob a retina.
A mácula é afetada, e o resultado é a queda súbita ou progressiva da visão central.
Pessoas com o problema, geralmente acima dos 60 anos, perdem a habilidade de ver em detalhe e, em casos severos, podem ser registradas como cegas, apesar de ainda terem uma visão periférica.
  Dieta

O estudo da Universidade de Melbourne analisou o resultado de nove pesquisas prévias sobre o ácido graxo ômega-3 e a DMRI, envolvendo um total de 88.974 participantes, incluindo mais de 3 mil com a doença.
A adição dos resultados de diferentes estudos dá mais força estatística às conclusões.
Segundo a análise, comer peixe duas vezes por semana foi associado a uma redução no risco de se contrair DMRI.
Uma redução de 38% no risco foi verificada nos que comiam mais ômega-3 em comparação aos que comiam a menor quantidade.
A pesquisadora Elaine Chong, que liderou a pesquisa, disse que o ômega-3 é um componente vital da retina.
Por isso, segundo ela, é possível que uma falta do ácido graxo possa “iniciar” a doença, já que as células da retina são constantemente renovadas.
No entanto, o estudo não chega a recomendar uma mudança na dieta. Segundo os cientistas, as pesquisas analisadas não foram feitas com o objetivo de oferecer provas sólidas que sustentem uma recomendação desse tipo.
“Apesar de essa análise dos estudos sugerir que o consumo de peixes e outros alimentos ricos em ômega-3 pode estar associado a um menor risco de desenvolver DMRI, não há evidência suficiente nos estudos atuais – e nenhum experimento médico aleatório – para recomendar o consumo de ômega-3 para prevenir a doença”, afirmou Chong.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL595466-5603,00-OMEGA+PODE+REDUZIR+RISCO+DE+DOENCA+NO+OLHO+DIZ+ESTUDO.html

_______________________________________

Ômega 3 combate a osteoporose:

Gordura para os ossos
Isso mesmo. Mas tem que ser ômega-3. O nutriente, famoso por seu potencial antiinflamatório, é o mais novo aliado do esqueleto no combate à osteoporose

Na sua vasta obra em prol do organismo, essa gordura já provou benefícios ao cérebro e ao coração e consagrou-se na prevenção de um sem-número de doenças. Para a alegria dos fãs de peixes, frutos do mar, sementes de linhaça e companhia, outro mal está entrando na lista negra do ômega-3: a osteoporose. Quem acaba de chegar a essa conclusão são pesquisadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, depois de revisar uma série de trabalhos científicos feitos mundo afora que investigaram o consumo da gordura e o seu impacto sobre o esqueleto. E sentenciaram: sim, ele é bom para os ossos.

A constatação tem um gostinho ainda mais saboroso para as mulheres sobretudo aquelas que se aproximam ou já passaram da menopausa. São elas as principais vítimas da doença que promove o esfarelamento da massa óssea. Isso porque, nessa fase da vida, a queda da produção de estrogênio, o hormônio feminino, repercute na capacidade do esqueleto de repor as inevitáveis perdas diárias de minerais. Ele tem células que produzem e depositam material ósseo, os osteoblastos, e células que reabsorvem o material velho, os osteoclastos, explica a farmacêutica Renata Gorjão, pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo. Na doença, aumenta a atividade dos osteoclastos, completa ela, que é especialista em fisiologia celular. Sem a reposição, o desequilíbrio resulta em milhões de microburacos. Daí, uma topada pode ser motivo de fratura.

E o ômega-3 com isso? Ele conseguiria inibir a função desses osteoclastos, responde Renata. Em outras palavras, o ingrediente restaura o equilíbrio e, assim, breca o avanço da osteoporose. As mulheres que querem distância do problema ou que lutam para controlá-lo não devem se esquecer, portanto, de ingerir as fontes desse ácido graxo. O recado também vale para os homens eles estão sujeitos à osteoporose, mas a incidência é menor.

Para oferecer ao organismo e ao esqueleto a cota ideal de ômega-3, nem é preciso forçar a barra. Os peixes de água fria são as grandes reservas, e se você saboreá-los em duas refeições por semana… Já é o suficiente, diz o nutrólogo Celso Cukier, do Instituto de Metabolismo e Nutrição, em São Paulo.

Não são apenas os ossos que, digamos, se deliciam com uma truta assada ou uma salada de brócolis salpicada de sementes de linhaça. Esse aporte de ômega-3 deixa o sistema imunológico mais forte e esperto. Os mesmos cientistas americanos que avaliaram a ação antiosteoporose depararam com outra vantagem do nutriente: ele afasta doenças auto-imunes, aquelas em que células de defesa declaram guerra a algumas regiões do próprio corpo. Entre elas, destaque para a artrite reumatóide, uma inflamação crônica nas articulações, e o lúpus eritematoso, problema marcado por ataques à pele e a órgãos como o fígado. O ômega-3 pode reduzir a capacidade de multiplicação das células agressoras e diminuir a concentração de substâncias de ação inflamatória, explica Renata Gorjão.

Aliás, a pesquisadora citou uma das propriedades mais poderosas dessa gordura: impedir processos inflamatórios recorrentes. Essas reações do organismo são importantes para manter nossa defesa, mas, numa situação de desequilíbrio, tornam-se constantes e prejudiciais, diz a nutricionista Daniela Jobst, de São Paulo. Se ingerimos alimentos que favorecem inflamações, como óleos vegetais e produtos industrializados, um jeito de apaziguar tais respostas é garantir doses de ômega-3. Ele é um antiinflamatório natural, declara a especialista.

Além disso, cada célula do organismo tira, à sua maneira, uma casquinha da substância. É que, segundo o nutrólogo Celso Cukier, ela consegue se incorporar à dupla camada de gordura que forma a membrana celular, alterando e aprimorando as suas funções. Essa habilidade presta serviços tanto às unidades que formam o osso quanto às células do sangue. Ora, já sobram razões para convidar o ômega-3 a ingressar na sua mesa seja por meio de um salmão preparado com legumes no papillote de alumínio, seja por meio de um fumegante creme de espinafre. Permita que a mais nobre das gorduras distribua seus benefícios pelo corpo e ajude a tornar inabalável o esqueleto que o sustenta.

Afinal, o que é o ômega-3?

Ele é o mais aclamado entre as gorduras poliinsaturadas. Trata-se de um ácido graxo essencial, defi nido assim porque não é produzido pelo corpo, ensina a farmacêutica Renata Gorjão. Na natureza, é encontrado sob três variações: ácido alfalinolênico, EPA e DHA. O primeiro está disponível em vegetais como a linhaça e o agrião; os dois últimos, nos peixes. No organismo, o ácido alfalinolênico é convertido em EPA e, depois, em DHA. Essas duas são as moléculas ativas do ômega-3, explica Renata. E elas também participam da formação de substâncias antiinflamatórias, completa o bioquímico Jorge Mancini, da Universidade de São Paulo.

Ômega-3: onde encontrar?

Os peixes de água fria, como o salmão, o atum, a sardinha e a truta, são os campeões do ácido graxo badalado. Isso porque, nas correntezas gélidas e profundas, alimentam-se de algas que contêm os precursores dessa gordura.

O ômega-3 também é encontrado, só que em menores doses, nos frutos do mar. Por isso, de vez em quando saboreie camarões, lagostas e mariscos.

A maioria das amêndoas e dos óleos de origem vegetal, como os de canola, soja, girassol e milho, é carregada de gorduras poliinsaturadas. Embora contenham um pouquinho de ômega-3, eles chamam a atenção mesmo pela riqueza em ômega-6.

Entre os vegetais, a linhaça é a grande fonte do nutriente. Mas saiba que também é possível obter uma pitada a mais de ômega-3 enriquecendo a dieta com agrião, brócolis e espinafre.

Dois ácidos em equilíbrio

Tenha certeza de uma coisa: sua dieta é bem mais íntima do legítimo primo do ômega-3, o ômega-6. Sim, ele freqüenta com maior assiduidade a sua mesa, já que dá as caras em quase todos os óleos vegetais, como os de milho, canola e soja, e em alimentos industrializados, como as margarinas. “A questão é que, dentro do organismo, o tipo 6 é um precursor de substâncias pró-inflamatórias”, explica a nutricionista Adriana Kobayashi. Se exagerarmos nessa gordura e deixarmos de lado seu parente mais conhecido, o corpo pode ficar refém de inflamações que se repetem.

O segredo é procurar seguir a proporção ideal entre os dois ômegas — meta difícil, vamos reconhecer, para medidas caseiras. Ela varia de 4 a 6 gramas de ômega-6 para 1 grama de ômega-3. De modo geral, quem adota uma dieta em que entrem peixes de água fria no mínimo duas vezes por semana, além de outros pratos preparados com óleo vegetal, por exemplo, já alcança o tal equilíbrio. Não são necessárias doses cavalares de ômega-3. “O problema é que, na dieta do brasileiro, a proporção é de 20 do tipo 6 para 1 do outro”, estima a nutricionista Daniela Jobst.

Parte da saída seria maneirar nos óleos. “Mas o mais importante é estimular o consumo de fontes de ômega-3”, frisa Adriana. Aliás, as duas gorduras até convivem nos mesmos alimentos. “Na composição do óleo de soja, por exemplo, são 54% de ômega-6 e de 7 a 8% de ômega-3”, calcula o bioquímico Jorge Mancini, professor da Universidade de São Paulo.

Obs.: Informações retiradas da Revista Saúde é Vital – agosto de 2008

Fonte: http://esclerosemultipla.wordpress.com/2008/07/20/omega-3-combate-a-osteoporose/

Anúncios

Uma resposta para Ômega 3

  1. cláudia disse:

    Boa tarde,gostei muito da matéria,mas gostaria de saber porque tem preços tão diferentes para as cápusulas de ômega 3,como saber que estou comprando a melhor?Obrigada,Cláudia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s